It takes two to tango

Quantas vezes a vida não parece mais estranha do que a ficção? Isso é porque toda a ficção se inspira directamente na vida! É porque somos todos medricas que costumamos optar pela ficção. Só que este blog vai optar pela vida... ou algo assim...

segunda-feira, agosto 15, 2005

Como os pobres U2 sairam perdedores com as suas groupies desgrenhadas


Foi na noite passada que os míticos U2 nos ofereceram uma performance fantástica na mouraria portuguesa, vulgo Lisboa. Espectáculo fantástico, de uma simplicidade e eficácia astronómicas que me fazem pensar que talvez alguém tenha roubado aos Stones o epíteto de "maior banda de rock'n'roll do mundo". Mas nem os Stones, nem os U2 e nem eu mesmo nos importamos muito com isso. Nem com isso nem com a mouraria que nos vai sugando vampirescamente em benesses incontroladas e festinhas de sexo e coca, enquanto nos matamos a trabalhar e pagamos 21% de IVA e a gasolina mais cara do mundo para que alguns possam curtir como sultões nos seus Alhambras de condomínio fechado... Nein, nada disso me importa porque vida há só uma, nada é de graça e o concerto foi muito melhor do que um concerto...
Senão, vejam a garina que saquei para uma noite de sexo louco, duro e depravado bem à moda da mouraria...

Esta foi uma das fotos menos comprometedoras - mas também mais artísticas - que lhe saquei. E não é que tivesse que me esforçar muito para tal. A cachopa gosta de se exibir! Delicioso...
Mas regressemos à historinha... Estava eu todo entretido com uma garrafinha de Barca Velha que tinha conseguido infiltrar no recinto graças à oferta de uma luvita a um segurança, abanando a cabeça para ver se conseguia colocá-la um pouco mais à roda, quando senti alguém apalpar-me o rabo. Alto lá! Vá-se lá saber porquê, um gajo imagina sempre que se deve tratar de um panilas qualquer, daqueles que pensam que 99% (pelo menos) dos outros é igualmente panilas, só que ainda não teve coragem para sair do armário onde timidamente vive no meio de uns quantos esqueletos. Preparei-me, portanto, para dançar o pogo ali mesmo e mandar-lhe uma escarradela merecida nas trombas, o que provavelmente o deliciaria.. já nem se pode ser mau que tudo acaba por sair bem... *suspiro* Contive-me a tempo de dar de caras com o anjo ruivo mais sexy que alguma vez poderíamos encontrar na net, já que nas ruas rareiam desesperadamente...
"Estás a curtir?", sussurrou-me numa vozinha quase imperceptível de mel e leite condensado com um toque de aguardente velha. "Se quiseres podemos curtir muitíssimo mais os dois juntos". Fiquei embasbacado, mas não mais do que dois ou três segundos. Olhei-a bem nos olhos. Não, não estava heroinada. Novamente. Também não me pareceu esquizofrénica. E a verdade é que já há coisa de dois dias que não molhava o pincel e começava a senti-lo ficar desgraçadamente seco. "A melhor ideia da noite!", sorri-lhe ao mesmo tempo que a beijava como numa novela brasileira, daquelas que nunca vejo, aliás nem sequer vejo televisão mas isso pode ser tema para outra conversa, dizia eu como numa novela brasileira, só que com muito mais classe. Sim, que eu faço questão de fazer tudo com classe.
Deixei os U2 a ganhar a vida naquele imenso palco solitário, certo embora de que qualquer deles trocaria de bom grado a sua carreira e os seus milhões por uma noite com aquela ruiva que me tinha caido no colo, a mim e só a mim. Deixei então o Bono e companhia a cantar I Still haven't found what I'm looking for, certo de que no fim receberiam umas quantas recompensas seriamente mais corriqueiras de umas quantas groupies tresloucadas, daquelas que lhes acompanharam a tournée inteira e passaram semanas à espera diante das bilheteiras sempre com a cabeça cheia dos pénis dos rapazes, e fui dar comigo primeiro num MG descapotável dos anos 60, depois numa propriedade fílmica dos arredores de Cascais, com vista sobre o mar e as vagas que se desfaziam em mil gotículas de espuma sugestiva contra a areia fina, uma queda mortal abaixo.
Esperava que a moçoila me oferecesse algo de beber, quiçá algo de fumar, sei lá, mas ela era mesmo uma daquelas mulheres moderníssimas para quem não há que perder tempo já que só há uma vida e nunca se sabe se não acabou já e se não estamos realmente a viver uma ilusão. Rasgou-me a camisa selvaticamente e urrou, no seu tom simultaneamente doce e rouco: "Sou a tua vampira e tenho que ter o teu sangue!". Vampira nada clássica, no entanto... Esquecendo ou nem sequer pensando no meu pescoço, que de bom grado lhe oferecia, arrancou-me violentamente o cinto, fez-me saltar uns quantos botões das calças e gemendo como só em sonhos do bom tempo, pôs-me a gemer a mim, numa competição desenfreada a ver quem mais facilmente acordava os vizinhos mais ciumentos e capazes de chamar a esquadra em peso com uma intimação contra festinhas selvagens e perturbadoras das famílias. "Quero um sessenta e noveeee!", exclamou subitamente, fixando-me nos olhos com uma expressão daquelas que os seres humanos normais não imaginam sequer poder existir para lá da masturbação, vulgo punheta.
Não sei quantas vezes fodemos. Juro que nem tinha tido tempo de passar pela farmácia a aprovisionar-me de Cialis! Foi pela frente, por trás, de lado, em cima, em baixo, a fazer o pino, acho que reescrevemos o Kama Sutra inteiro numa só noite e que deixámos os autores originais a chorar baba e ranho de frustração pela total ausência de imaginação transmitida a tantas gerações covardemente enganadas.
No fim, exausto mas pronto a morrer feliz, pedi-lhe o contacto... "Contacto?" Olhou-me de soslaio. "Para que é que queres o meu contacto? Só nos usámos um ao outro". Ok. A cachopa não se cortava com as palavras e ainda por cima era suficientemente inteligente para ter razão. "Posso ao menos saber como te chamas?", perguntei. Bamboleou-se pensativa pelo salão onde umas quantas garrafas esvaziadas dormiam profundamente no chão, com um leve pontapé fez rolar uma na minha direcção, chegou-se-me bem perto do ouvido, fez-me cócegas com a ponta da língua a tocar-me o martelo e a bigorna e com um risinho marotão disse: "My true name is Kidman. Nicole Kidman. But don't tell my producers!"
E embora tudo isto tenha acontecido há apenas algumas horas, parece-me de bom tom literário dizer que foi a última vez que a vi. Qual ficção, qual quê! A realidade pode ser bem mais interessante. Agora, sei-o. E U2...
foto da cachopa sacada do site wantmoreporn.com

6 Comments:

At 4:56 da tarde, Anonymous Nicky said...

Oi! Adorei o teu blog e a forma como contaste a nossa aventura! Juro que já me sinto...hmmm...húmida só de te ler e reler. Bigadinha por me colocares à frente das desgrenhadas dos U2... Também, não esperava outra coisa, sei que tenho uma ratinha de oiro e não consigo sequer imaginar como é que tanto latão ou, no máximo, prata, alguma vez poderia competir com moi! Booooom... Tudo isto para te dizer que te aguardo em Cascais. Sempre que me desejes. Poderemos colocar um CD dos U2 a rolar em música de fundo, muito de fundinho, se quiseres... E estou até capaz de te dar o meu contacto... Miau!

 
At 4:59 da tarde, Blogger Master Minder said...

Hmmm... Não sei. Tenho que pensar. Tenho uma vida tão preenchida, sabes... Terei de ver se consigo arranjar um buraco no meio da minha agenda. E depois, não tens nada contra o facto de eu ser extremament difícil, pois não? Kinky kisses pra ti, minha leoazinha de juba resplandecente!

 
At 5:29 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Oi, sou uma grupie da banda k acompanhei todos os consertos desta turné, pacei uma media de varias oras em filas d ispera pros tickets e me inkontrei kom os rapazes no final de kada show. Fikei furiosa kom as tuas palavras e ainda + kom a latosa deça badalhoca da niki! A minha koisa e de não cei bem mas uma koisa kualker mais valioso ke o ouro e desgrenhada deve de ser a mae dessa betinha da niki! Kero istar kontigo pk te vou mostrar ke sou melhor ke a badalhoka. Prontos, me liga!

 
At 5:32 da tarde, Blogger Master Minder said...

Cara anónima, tens o meu email. Aparece lavada, perfumada, arranjada, com os dentes todos (não têm que ser verdadeiros dente a dente) e depois de aprenderes a escrever. Cá te aguardo, pode até ser que te toque um tema dos U2 com a minha guitarra e logo se verá... Prometo atribuir-te uma classificação de 0 a 20.

 
At 12:24 da manhã, Blogger Zézinha said...

O menino anda mesmo de mal com a vida, não admira que seja alvo de ataques no seu blog. Não só tentou convencer-me a apagar comentários que outras pessoas lhe fizeram no meu blog (e eu isso não posso admitir, porque no meu blog mando eu) como ainda por cima censura qualquer resposta que eu aqui lhe tenha dado e insiste em apagar os meus comentários. A censura é uma coisa muito feia, e própria de quem não dá uma fodinha há algum tempo. Mas não desespere: já lhe disse que pode contar aqui com a Zézinha, por caridade até a piça lhe chupo enquanto lhe meto um dedinho no cu, tudo por apenas cinco contos em moeda antiga. Sou a Madre Teresa de Calcutá das Putas. Ah, e achei muito querido da sua parte que se tenha dado ao trabalho de colocar comentários anónimos no meu blog. Gosto do seu tom de criança ofendida, e confesso que meti os dedos na cona e me vim duas vezes por sua causa. Só por isso merece que lhe dê o cu.

 
At 2:42 da manhã, Blogger Master Minder said...

Este é um exemplo do que representa o blog dessa aí em cima (como se ninguém soubesse)...

 

Enviar um comentário

<< Home