It takes two to tango

Quantas vezes a vida não parece mais estranha do que a ficção? Isso é porque toda a ficção se inspira directamente na vida! É porque somos todos medricas que costumamos optar pela ficção. Só que este blog vai optar pela vida... ou algo assim...

sábado, maio 06, 2006

Quase-monólogo com a divindade


Certo dia, encontrei-me subitamente envolto por uma espessa e misteriosa névoa. Comecei por me assustar e procurei uma saída. Seguidamente, refreando os meus temores, compreendi que me encontrava perante Aquele-Que-Tem-Nomes-Infinitos-Que-Não-Podem-Nem-Devem-Ser-Pronunciados e ousei dirigir-lhe a palavra...

Eu - Eis-me na presença de Deus?
Aquele-Que-Tem-Nomes-Infinitos-Que-Não-Podem-Nem-Devem-Ser-Pronunciados - Não sabes que não podes pronunciar o meu nome? Nunca ninguém te ensinou coisa nenhuma?
Eu - Está bem. Mas porquê?
AQTNIQNPNDSP - Acaso logras fazer tremer a terra? Acaso fazes a chuva cair? Acaso provocas as marés? Acaso emprestas luminosidade ao sol? Acaso provocas as tempestades? Acaso...
Eu - Pronto. Penso que já entendi... Acaso posso fazer-te algumas perguntas?
AQTNIQNPNDSP - Acaso desencadeias o movimento dos astros? Acaso entendes a natureza do universo e do que para além dele se encontra ou não? Acaso...
Eu - Já entendi, já entendi... Vou fazê-las, ainda assim. Está bem?
AQTNIQNPNDSP - ...
Eu - Só algumas...
AQTNIQNPNDSP - ...
Eu - Pronto. Só algumas. Porque é que a vida é trabalho e sofrimento e os seres morrem de doenças atrozes e acidentes sangrentos ou simplesmente apodrecem aos poucos até se transformarem numa espécie de peso a aliviar?
AQTNIQNPNDSP - Culpa dos homens.
Eu - Porque é que se afirma na Bíblia "pede e ser-te-á dado, bate e ser-te-á aberto" e ignoras as súplicas dos desesperados?
AQTNIQNPNDSP - Culpa dos homens.
Eu - Porque é que a maior fortuna convive com a maior miséria?
AQTNIQNPNDSP - Culpa dos homens.
Eu - Porque é que há aleijados, dementes e incapacitados de todo o género?
AQTNIQNPNDSP - Culpa dos homens.
Eu - Porque é que ando há 27 anos com indigestão e há semanas com dor de cabeça?
AQTNIQNPNDSP - Não fumes, não comas, não bebas, não participes.
Eu - Posso respirar?
AQTNIQNPNDSP - Respirar é obrigatório. Já foste ao médico?
Eu - Se és omnisciente, porque é que perguntas?
AQTNIQNPNDSP - Porque faz parte do diálogo e porque a minha vontade é suprema e já falei demais. Acaso entendes os mistérios que...
Eu - Não, não entendo. Porque é que criaste um universo onde impera a lei do mais forte e só nos livros sagrados tomas o partido dos indefesos?
AQTNIQNPNDSP - Culpa dos homens.
Eu - Pareces-me um Deus algo neo-liberal...
AQTNIQNPNDSP - Não podes pronunciar o meu nome!
Eu - Deus, Deus, Deus, Deus, Deus! Ok?
AQTNIQNPNDSP - ...
Eu - Bom... A conversa foi... hã... interessante. Agora, tenho que procurar a saída deste caldo de nuvens, que me está a incomodar...
AQTNIQNPNDSP - ...
Eu - Adeus e obrigado.
AQTNIQNPNDSP - ...

Após aturadas investigações, acabei por dar com uma portinhola de nuvens muito bem camuflada e esgueirei-me para o exterior. Respirei fundo. Sentia-me esgotado. Uma conversa com a divindade é esgotante, assim como procurar o caminho de saída de labirintos. Percorri um longo corredor e cheguei a uma pequena sala etérea e dominada por tonalidades quentes. Um indivíduo, muito bem vestido com roupas de marca das últimas colecções, cofiava uma barbicha aparada com grande mestria e aguardava-me, de perna cruzada, numa poltrona. Falei-lhe...

Eu - E agora... Quem és tu?
Indivíduo - Chamam-me Aquele-Que-Tem-Nomes-Infinitos-Que-Não-Podem-Nem-Devem-Ser...
Eu - Com os diabos! Isso não és tu! Estás a brincar?
Indivíduo - Naturalmente.
Eu - Isso é giro.
Indivíduo - Pois é. Se perdesse o sentido de humor, estava feito.
Eu - Há dias...
Indivíduo - Então? Gostaste da tua conversa com Deus?
Eu - Foi interessante.
Indivíduo - A sério... Foi esclarecedora?
Eu - Nem por isso. Porque é que queres saber?
Indivíduo - Se quiseres, respondo a todas as tuas perguntas, indico-te caminhos e solidarizo-me...
Eu - Quanto é que isso custa?
Indivíduo - Hiper-económico!
Eu - Vá, quanto?
Indivíduo - Estás a prender-te com niquices! Senta-te e diz-me o que te preocupa...
Eu - Não, obrigado. Estou esgotado e tenho que ir dormir.
Indivíduo - Então... estás só.
Eu - Pois estou.


Imagem de www.charawilliams.com (fotografia de Chara Williams).

2 Comments:

At 2:24 da tarde, Blogger Maria P. said...

Bravo! A escrita do mestre.

bom sábado:)

 
At 2:33 da tarde, Blogger Master Minder said...

Muito obrigado. Um bom fim de semana para ti. :)

 

Enviar um comentário

<< Home